Conte di Campiano – Primitivo de Manduria e Apassimento

Conte di Campiano Primitivo di ManduriaConte di Campiano Apassimento

Primitivo de Manduria: 92 pontos (sem notas de degustação).

País / Região: Itália / Puglia

Castas: 100% Primitivo

Graduação Alcoólica: 14,5°

Harmonização: pratos bem temperados, carnes vermelhas e queijos curados.

Temperatura de serviço: 18-22°C.

Preço: R$144,33 em Vinhobr (pesquisado em 12/02/2017). No Rio de Janeiro, é encontrado no Supermercado Mundial por R$69,90.

 

Apassimento: 92 pontos. Cor rubi, muito intensa, fechada. Aromas de frutas vermelhas maduras e madeira. Na boca mostra grande equilíbrio e aspecto aveludado. Forte e intenso. Ligeiramente adocicado, justificando o estilo “apassimento” e gerando agradável sensação de prazer na boca. Taninos redondos e maduros. Falta um pouco de potência, apesar do corpo robusto e estruturado.

Preço: R$144,33 em Vinhobr (pesquisado em 12/02/2017). No Rio de Janeiro, é encontrado no Supermercado Mundial por R$69,90.

País / Região: Itália / Puglia

Castas: 100% Negroamaro passito

Graduação Alcoólica: 14°

Harmonização: massas picantes, carnes vermelhas e queijos curados.

Temperatura de serviço: 18-22°C.

 

Mais detalhes:

  • http://www.contedicampiano.it

 

Radici Taurasi Riserva DOCG 2006

Radici Taurasi Riserva DOCG 2006

92 pontos. Que baita vinho! 30 meses em tonéis de carvalho esloveno, mais 36 meses em garrafa antes de ser lançado ao mercado. Ou seja, um vinho que já nasce velho. A cor corrobora o estilo: rubi médio com reflexos alaranjados. Aromas de frutas do bosque, carvalho, pimenta, baunilha. Na boca, mostra potência, equilíbrio, persistência e acidez na medida para trazer alguma descontração. A estrutura complexa se mistura ao tanino aveludado, gerando uma estrutura fantástica, com sabor de tradição italiana.

País / Região: Itália / Campania

Castas: Aglianico

Elaboração: densidade de 3.500 vinhas/hectare, gerando 4.500 kg/hectare de uvas, a uma taxa de 1,3 kg/vinha. Colheita manual, seguida de clássica vinificação de vinho tinto e longa maceração em temperatura controlada.

Harmonização: queijos duros, trufas, cogumelo porcini, ragout, pratos com molhos com longos períodos de cozimento, carnes vermelhas cozidas e pratos apimentados.

Temperatura de serviço: 18°C.

Preço: R$373,63 em Mistral (pesquisa realizada em 18/06/16).

 

Mais detalhes

  • http://www.mastroberardino.com/en/radici-taurasi-riserva-docg-vino-rosso/
  • https://www.mistral.com.br/produto/radici-taurasi-riserva-docg-2006-mastroberardino-1

 

Accademia dei Racemi Primitivo di Manduria Dunico 2009

Accademia dei Racemi Primitivo di Manduria Dunico 2009

88 pontos. Cor intensa e aromas de doce de framboesa, tabaco e baunilha. Muito equilibrado e quente, devido ao alto álcool. Intenso na boca, mas de pouca persistência. Um vinho rústico, robusto, caninos marcantes e um ligeiro amargor no final de boca.

País / Região: Itália / Puglia

Castas: 100% Primitivo

Graduação Alcoólica: 15°

Elaboração: idade média do vinhedo de 60 anos, com baixos rendimentos. Colheita das uvas prorrogadas em 1 semana e efetuadas no final de agosto, com seleção de grãos na cantina e posterior prensagem. Fermentação em tanques de aço inox com temperatura controlada. Amadurecimento em grandes tonéis de carvalho da Eslavênia.

Harmonização: Estufado de cordeiro, com ervas, salsinha e ervilhas frescas; Civet de javali com purê de castanhas; Medalhões de avestruz grelhados e servidos com sua deglaçagem com cerejas e mirtilos macerados.

Temperatura de serviço: 18°C

Preço: R$260,20 em Decanter (pesquisa realizada em 10/05/16).

 

Mais detalhes

  • http://www.decanter.com.br/accademia-dei-racemi-primitivo-di-manduria-dunico-2009-750ml/p00057909

 

Amarone Classico Riserva Sergio Zenato DOC 2008

Zenato Amarone della Valpolicella Riserva Classico 2008

92 pontos. Vinhaço! Potente de uma forma sedutora, como uma linda mulher dançando de vestido rodado vermelho. Chama a atenção e tem o mundo a seus pés. A potência já se sente no nariz, lembrando ao fundo o teor alcoólico elevado do Porto. Aromas de ameixa e frutas secas. Encorpado, porém macio e aveludado, a um passo da maciez dos vinhos adocicados.

País / Região: Itália / Veneto

Castas: 80% Corvina, 10% Rondinella, 10% Oseleta

Graduação Alcoólica: 16,5°

Elaboração: produzido apenas em anos excepcionais. As uvas são mantidas em pequenas bandejas, de 3 a 4 meses, sofrendo ressecamento. Sofrem desengano, pré-maceração e prensa em janeiro. A fermentação em contato com as cascas dura de 15 a 20 dias, seguida de envelhecimento em barris de carvalho esloveno de 7.500 litros por 48 meses. O envelhecimento é finalizado com 1 ano em garrafa antes de ser lançado ao mercado.

Harmonização: carnes assadas, carnes de caça, carnes grelhadas e queijos envelhecidos. Perfeito como vinho de meditação.

Amarone Classico Riserva Sergio Zenato DOC 2008

 

Mais detalhes

 

Volpe Pasini Grivo Pinot Grigio 2012

Volpe Pasini Grivo Pinot Grigio 2012

89 pontos. Que cor diferente! Um acobreado claro, difícil de encontrar em vinhos brancos. Muito aromático, com toques florais e frutados, ressaltando o abacaxi e pêssego. Na boca é fresco, apesar da acidez não se mostrar tão pronunciada. Equilibrado, mas marcando um pouco na garganta. Pouca expressão e personalidade.

País / Região: Itália / Togliano

Castas: Pinot Grigio

Graduação Alcoólica: 12,5°

Elaboração: maceração realizada sem a pele, quantidade extremamente baixa de anidrido sulfuroso, controle de temperatura durante a fermentação, a qual ocorre em tanques de inox. Amadurecimento na garrafa.

Harmonização: entradas com vegetais, peixes e pratos com carne branca.

Temperatura de serviço: 10 a 12°C

Onde comprar: World Wine, porém indisponível em 27/02/2016.

 

Mais detalhes

  • http://www.volpepasini.it/en/vini/linee-vino/grivo/
  • http://www.volpepasini.it/wp-content/uploads/2012/03/Grivò-Volpe-Pasini-2014_Eng.pdf

 

Donnafugata Anthilia 2012

Donnafugata Anthilia 2012

86 pontos. Sugestão do sommelier: “um baita vinho”. Particularmente, achei correto, mas ligeiramente desequilibrado, com acidez pouco presente, dando ao vinho um ar meio pálido, insosso. Os aromas não vieram, ficaram lá pela Sicília, da mesma forma como a personalidade.

País / Região: Itália / Sicília DOC

Castas: Catafratto, entre outras castas completando o corte

Graduação Alcoólica: 12,5-13°

Elaboração: uvas gentilmente pressionadas e mostro fermentado em temperatura controlada. O vinho é envelhecido em garrafa por pelo menos dois meses antes de ser enviado ao mercado.

Harmonização: peixe levemente defumado, crustáceos, anchova, massas, salada de atum, beringela e mexilhões.

Temperatura de serviço: 9 a 11°C

Onde comprar: R$136,70 em Dioniso Clube de Vinhos (pesquisa realizada em 21/02/2016).

 

Mais detalhes

  • http://www.donnafugata.it/products/Anthilia.aspx
  • http://www.donnafugata.it/contenuti/file/products/download/02_Anthilia%202014_ENG3.pdf

 

Ruffino Tenuta Greppone Mazzi Brunello di Montalcino 2006

Ruffino Tenuta Greppone Mazzi Brunello di Montalcino 2006

91. Usando as palavras do amigo quem trouxe a garrafa para o jantar: “Brunello safado!”. Um pouco longe da opulência dos irmãos, mas ainda assim um Brunello. O prazer já começa no visual: um granada já despontando para o alaranjado. No nariz não mostra muitos aromas marcantes, mas percebe-se a cereja e framboesa. Na boca é muito bem equilibrado, suave e macio, mas sem a sofisticação e potência percebida em outros rótulos.

País / Região: Itália / Brunello di Montalcino DOCG

Castas: Sangiovese Grosso, chamada de Brunello na região de Montalcino

Graduação Alcoólica: 14,5°

Elaboração: apenas as melhores uvas foram colhidas à mão em meados de outubro, através de diversas passagens pelo vinhedo para que os cachos fossem colhidos no estágio perfeito de maturação. A safra de 2006 foi considerada clássica para os padrões da Toscana, produzindo uvas completamente maduras e saudáveis, atingindo a produtividade de 6 toneladas por hectare. A fermentação alcoólica ocorreu durante duas semanas em tanques de aço inox à temperatura controlada de 28-30°C, seguida de maceração das cascas por 10 dias. Após fermentação malolática, o vinho amadureceu em cascos de carvalho de 30-60 hectolitro por 36 meses. Em seguida, o vinho permaneceu em tanques de aço inox por mais 6 meses, foi engarrafado e envelheceu em garrafa por um mínimo de 12 meses antes de ser lançado ao mercado.

Harmonização: queijo Pecorino e Taleggio, costeleta de cordeiro, peito de pato com cogumelos Portobello, massa ao ragu de javali.

Outras avaliações: 91 Pontos, safra 2008 – The Wine Advocate, 93 Pontos, safra 2007 – James Suckling, 93 Pontos, safra 2006 – Wine Spectator.

 

Mais detalhes

  • http://www.ruffino.com/us/OurWines/EstateWines/GrepponeMazzi/index.htm?countryselect=Brazil%7C18&month=5&day=27&year=1980
  • http://www.ruffino.com/cs/groups/public/documents/webcontent/ecm2149887.pdf

 

Il Costone Romagna DOC Sangiovese Superiore 2011

Costone Romagna Sangiovese Superiore 2011

85. Correto e razoavelmente equilibrado, mas sem aquele algo a mais. Estrutura e corpo pouco expressivos, com um leve amargor no retrogosto.

País / Região: Itália / Romagna DOC

Castas: 100% Sangiovese

Graduação Alcoólica: 13,5°

Elaboração: colheita manual realizada no início de setembro, seguida de maceração realizada a 26°C por 25 a 30 dias, fermentação alcoólica e malolática em tanques de inox. Amadurecimento entre 12 e 14 meses em grandes cascos de carvalho esloveno, seguido de refinamento por 2 meses em tanques de inox e, por fim, de 4 a 6 meses em garrafa. Produção anual de cerca de 20.000 garrafas.

Harmonização: pratos italianos típicos, como massas, Fagioli e Galletto alla Cacciatora.

Temperatura de Serviço: 16 a 18°C

 

Mais detalhes

  • http://www.cantinabraschi.com/en/cru/il-costone-romagna-doc-sangiovese-superiore/
  • http://www.cantinabraschi.com/wp-content/uploads/2015/10/BRASCHI_Scheda-ENG-3.7-Il-Costone-Sangiovese-Superiore.pdf

 

Il Canneto Luna Del Cacciatore Toscana Sangiovese 2011

Il Canneto Luna Del Cacciatore Toscana Sangiovese U.V.

Nota 87. Cor muito bonita, um vermelho granado, provavelmente oriunda da barrica visto que o vinho é de 2011. No nariz mostra aromas intensos. Nem precisei rodopia-lo para sentir a fragrância explodir no nariz. Identifica-se facilmente frutas vermelhas, baunilha e madeira. Na boca mostra um equilíbrio agradabilíssimo, nenhuma aresta solta. A estrutura é pouco robusta, mas aliada a maciez redonda, torna o vinho muito fácil de ser bebido. Pessoalmente, me lembrou muito os Chiantis de quando estive na Toscana.

Fratelli Dogliani Barbera D’Alba 2010

Fratelli Dogliani Barbera D Alba 2010

Rubi-claro com ligeiro reflexo alaranjado. Corpo delgado, sem estrutura. Aroma significativo de madeira, baunilha e frutas secas. Na boca é equilibrado, com acidez a postos para trazer refrescor, combinando com a estrutura leve.

Antinori Toscana 2008

Antinori Toscana 2008

Se os taninos estivessem um pouco mais maduros, seria um baita vinho. Aroma de frutas doces, bem equilibrado e com álcool na medida.

Sportoletti Assisi Grechetto 2011

Sportoletti Assisi Grechetto 2011

Vinho da região de Assis (Assisi em italiano). Alegre e descontraído, coloração palha e sabor marcante para um branco. Possui personalidade, apesar de poder ser considerado um vinho simples.

Fratelli Dogliani Langhe Nebbiolo 2011

Fratelli Dogliani Langhe Nebbiolo 2011

Qualidade geral mediana, aroma pouco expressivo. O que se faz notar nesse vinho é a cor, menos rubi do que o normal, mais para um alaranjado, e a leveza, fazendo do vinho bom para momentos descontraídos.

Val Delle Rose Morellino Di Scansano 2009

Val Delle Rose Morellino Di Scansano 2009

Na minha última viagem à Itália, acabei descobrindo que o dono do pequeno hotel onde fiquei em Florença era sommelier, com um extenso currículo de cursos e diplomas na parede. Conversando sobre a admiração sobre vinhos, ele me indicou os Morellino di Scansano. Da mesma forma como acontece comigo e os Valpolicellos e Barolos, ainda não encontrei opções que me façam cair de amores. Este aqui é razoavelmente equilibrado, com final um pouco amargo, taninos maduros, mas nada especial. Apenas um bom vinho para o preço.

Il Pozzo Barolo 2008

Il Pozzo Barolo 2008

Esperava mais do tão famoso Barolo. De repente escolhi um mal representante da família. De fato o local escolhido para apreciá-lo não era dos melhores. Esperava um vinho mais suave, mas neste o álcool marcava demasiadamente. No final das contas, as duas garrafas regaram um jantar agradável na companhia de novos amigos.

Cantina Di Montalcino Brunello di Montalcino 2007

Cantina Di Montalcino Brunello di 2007

Meu primeiro Brunello. Inesquecível. Um dos melhores vinhos que tomei na minha vida. Apesar de estar escrevendo essas linhas um ano após a degustação deste Brunello, ainda me lembro da suavidade e maciez na garganta, do corpo e estrutura origem de sabor intenso e persistente. Como amante de vinhos, percebo que nasci no país errado. Dá uma dor no coração ver exemplares de Brunellos sendo vendidos na faixa dos R$300 enquanto na Itália se bebe um por 30 euros.

Amorelli Oracolo Toscana 2010

Amorelli Oracolo Toscana 2010

Descobri com este vinho o que é um Super Toscano. O nome nada tem a ver com super vinhos. É apenas uma descrição dos vinhos da região que não seguem os padrões de produção controlados pelo governo para receber o selo DOCG, como o Chianti por exemplo. O Super Toscano pode ter blend de uvas para alcançar uma qualidade superior. Perde-se o selo DOCG mas ganha-se a oportunidade de se fazer um vinho de melhor qualidade. Mas nem todos Super Toscanos alcançam esse objetivo.

Amorelli Chianti Classico

Amorelli Chianti Classico

Mais um apreciado na degustação na vinícola produtora. Este aqui não possui nada de surpreendente. Um bom vinho pro dia a dia. Se for encontrado no Brasil na faixa dos R$40, é uma boa pedida.