Aracuri Sauvignon Blanc 2016

90 pontos. Primeira descoberta da viagem pelo Vale dos Vinhedos. Belíssima construção, elegante, fresco. Nota-se o clima frio pelos aromas sutis. As frutas cítricas e tropicais estão lá, mas de forma bem suave. Muito equilibrado e com acidez crocante. Combinação perfeita para o verão brasileiro.

R$72 em https://www.vinhosevinhos.com/aracuri/vinho-aracuri-sauvignon-blanc-750-ml.html

Ken Forrester Chenin Blanc Reserve Collection 2016

88 pontos. Chenin Blanc não é uma casta muito conhecida por nós brasileiros, mas é a estrela lá na África do Sul, onde pode produzir belíssimos rótulos de vinhas velhas. Este aqui precisava de um pouco mais de acidez para torná-lo mais vibrante e alegre. Mesmo assim, as frutas e o corpo redondo fazem dele um belo exemplar destes brancos a serem explorados.

Domaine Bott-Geyl Métiss 2015 (Alsácia)

89 pontos. Um alsaciano por menos de R$100. Uma excelente opção para agradar aos jovens apreciadores que, independente da idade, estão descobrindo o mundo do vinho. O açúcar residual torna-o acessível e descontraído, ótimo para os paladares que ainda se acostumam com a bebida. Falta um pouco de complexidade, mas acho que isso não será importante para o público-alvo do rótulo.

R$88 em http://www.delacroixvinhos.com.br/alsace-metiss-2015.html

MontGras Amaral Sauvignon Blanc 2016

Expovinis 2017 MontGras Amaral Sauvignon Blanc 2016

92 pontos. Sauvignon Blanc está se tornando a uva branca do Chile. Vinho muito fresco, descontraído, muito frutado, com acidez vibrante e estrutura impecável. Lindo exemplar do que o país pode fazer.

Preço: R$59,90 em Angeloni (pesquisado em 11/06/2017).

Mais detalhes:

  • http://www.montgras.cl/en/amaral/
  • http://www.montgras.cl/media/data-sheets/2016-amaral-sauvignon-blanc-eng.pdf

 

Adega de Monção Vinho Verde 2008

Adega de Monção Vinho Verde 2008

87 pontos. Aromas de maça verde e maracujá. Acidez na medida certa, gerando grande refrescância. Harmoniza com os dias quentes, eventos descontraídos, praia, piscina e diversão.

País / Região: Portugal / Vinho Verde

Castas: Alvarinho e Trajadura

Graduação Alcoólica: 11,5°

Elaboração: seleção das uvas, obtenção do mostro, apertos, decantação (24 horas a 14°C). Fermentação controlada entre 18°C e 20°C. Realização do lote. Filtração de desbaste. Armazenamento, estabilização pelo método de contato, filtração por terras. Filtração final por membranas e engarrafamento.

Harmonização: deve ser bebido jovem e servido fresco, mas não gelado. Uma boa opção para acompanhar marisco, pratos de peixe e carnes brancas.

Temperatura de serviço: 10°C.

Preço: R$28,90 em Santa Luzia (pesquisa realizada em 22/06/16).

 

Mais detalhes

  • http://www.adegademoncao.pt/produto/adega-de-moncao-alvarinho/

 

Volpe Pasini Grivo Pinot Grigio 2012

Volpe Pasini Grivo Pinot Grigio 2012

89 pontos. Que cor diferente! Um acobreado claro, difícil de encontrar em vinhos brancos. Muito aromático, com toques florais e frutados, ressaltando o abacaxi e pêssego. Na boca é fresco, apesar da acidez não se mostrar tão pronunciada. Equilibrado, mas marcando um pouco na garganta. Pouca expressão e personalidade.

País / Região: Itália / Togliano

Castas: Pinot Grigio

Graduação Alcoólica: 12,5°

Elaboração: maceração realizada sem a pele, quantidade extremamente baixa de anidrido sulfuroso, controle de temperatura durante a fermentação, a qual ocorre em tanques de inox. Amadurecimento na garrafa.

Harmonização: entradas com vegetais, peixes e pratos com carne branca.

Temperatura de serviço: 10 a 12°C

Onde comprar: World Wine, porém indisponível em 27/02/2016.

 

Mais detalhes

  • http://www.volpepasini.it/en/vini/linee-vino/grivo/
  • http://www.volpepasini.it/wp-content/uploads/2012/03/Grivò-Volpe-Pasini-2014_Eng.pdf

 

Donnafugata Anthilia 2012

Donnafugata Anthilia 2012

86 pontos. Sugestão do sommelier: “um baita vinho”. Particularmente, achei correto, mas ligeiramente desequilibrado, com acidez pouco presente, dando ao vinho um ar meio pálido, insosso. Os aromas não vieram, ficaram lá pela Sicília, da mesma forma como a personalidade.

País / Região: Itália / Sicília DOC

Castas: Catafratto, entre outras castas completando o corte

Graduação Alcoólica: 12,5-13°

Elaboração: uvas gentilmente pressionadas e mostro fermentado em temperatura controlada. O vinho é envelhecido em garrafa por pelo menos dois meses antes de ser enviado ao mercado.

Harmonização: peixe levemente defumado, crustáceos, anchova, massas, salada de atum, beringela e mexilhões.

Temperatura de serviço: 9 a 11°C

Onde comprar: R$136,70 em Dioniso Clube de Vinhos (pesquisa realizada em 21/02/2016).

 

Mais detalhes

  • http://www.donnafugata.it/products/Anthilia.aspx
  • http://www.donnafugata.it/contenuti/file/products/download/02_Anthilia%202014_ENG3.pdf

 

La Chablisienne Chablis La Sereine 2011

La Chablisienne Chablis La Sereine 2011

87 pontos. Esperava mais, dada a fama deste branco francês. A boa notícia é que ainda existe toda a colina de qualidade da denominação para surpreender: Premier Cru e Grand Cru. Os aromas deste aqui são dispersos, com bastante atenção se identifica  a manteiga e querosene, típicos da chardonnay. Não identifiquei a tão falada mineralidade, mas faço mea-culpa… o problema de fato está no degustador. Na boca mostra pouca expressão, apesar de ser bem correto e equilibrado.

País / Região: França / Chablis AOC

Castas: 100% Chardonnay

Graduação Alcoólica: 12,5°

Elaboração: vinhas com idade média de 20 anos. Resfriamento das uvas antes da fermentação. Tanto a fermentação alcoólica quanto a malolática acontecem em tanques de inox. O amadurecimento acontece por um ano sob finas borras, tanto nos tanques quanto em barris de carvalho.

Temperatura de serviço: 10 a 12°C

Harmonização: peixe grelhado.

Onde comprar: R$165,99 em Todo Vino (safra 2010, pesquisa realizada em 12/01/2016).

 

Mais detalhes

  • http://lachablisienne.net/catalogue_us/front_pro.php?rubrique=10&page=2
  • http://www.lachablisienne.net/fiches/admin/fiche_209_en.pdf

 

Torreon de Paredes Chardonnay Reserva 2012

Torreon de Paredes Chardonay Reserva 2012

87. Cor palha médio, aromas de mel, manteiga querosene e carvalho. Na boca é amadeirado e razoavelmente equilibrado, com a acidez despontando um pouco. Pouco corpo e estrutura, com a personalidade mais presente nos aromas do que na boca.

País / Região: Chile / Rengo (Vale do Alto Cachapoal)

Castas: 100% Chardonnay

Graduação Alcoólica: 13,5°

Elaboração: fermentado e amadurecido em barris de carvalho francês.

Temperatura de serviço: 10 a 12°C

Harmonização: salmão, marisco, vitela, codorna e massas com molho branco.

Onde comprar: R$96,51 em D.O.C.G.

 

Mais detalhes

  • http://www.torreon.cl/english/Res_ch.html

 

Torreon de Paredes Sauvignon Blanc 2013

Torreon de Paredes Sauvignon Blanc 2013

87. Aromas cítricos fragrantes, maracujá, abacaxi, mineralidade e capim. Uma pontada de amargor, ligeiramente desequilibrado, com o álcool ligeiramente acima do ideal e acidez abaixo, mas sem comprometer a estrutura geral.

País / Região: Chile / Rengo (Vale do Alto Cachapoal)

Castas: 92% Sauvignon Blanc, 8% Gewürztraminer

Graduação Alcoólica: 14°

Elaboração: no Vale de Cachapoal, localizado no Vale Central do Chile, encontra-se a cidade de Rego, situada entre montanhas que tornam a região mais árida e fria do que o resto do Vale. As uvas são colhidas entre fevereiro e início de março em seu amadurecimento máximo e a fermentação ocorre em tanques de aço inox.

Temperatura de serviço: 10 a 12°C

Harmonização: ideal para ser servido como aperitivo, acompanhando peixes ou mariscos.

 

 

Mais detalhes

  • http://www.torreon.cl/english/VR_sb.html
  • http://www.torreon.cl/docs/tsheet/RES_SB13_I.pdf

 

Condes de Barcelos Vinho Verde Loureiro 2013

Condes de Barcelos Vinho Verde Loureiro 2013

86. Aromas de frutas frescas. Na boca se mostra jovial, alegre e fresco.

País / Região: Portugal / Vinho Verde D.O.C. (Barcelos)

Castas: Loureiro

Graduação Alcoólica: 10°

Harmonização: entradas, saladas, mariscos, todo o tipo de peixes e até com carnes assadas no forno. É ainda uma ótima companhia para pizzas e comida japonesa.

Temperatura de Serviço: entre 8 e 12°C

Preço: R$28,35 (safra 2014, Adega Brasil, em 02/12/2015)

 

Mais detalhes

  • http://adegabarcelos.pt/pt/vinho-branco-condes-de-barcelos
  • Ficha técnica

Grans Fassian Trittenheimer Apotheke Auslese Riesling 2009

grans fassian trittenheimer apotheke auslese riesling 2009

92. Que sofisticação! Um vinho de sobremesa com doçura elegante e gentis pontadas de acidez. É coisa de louco perceber como as duas dimensões vão se combinando com extrema harmonia, sem que uma marque presença de forma a sobrescrever a outra. A cor é de um lindo dourado claro e no nariz nota-se aromas cítricos, abacaxi, mel e querosene.

País / Região: Alemanha / Mosel

Castas: Riesling

Graduação Alcoólica: 

Elaboração: colheita manual seletiva de uvas muito maduras em meados de outubro. Vinhedos trabalhados com baixa produtividade de 40hl/ha. Fermentação lenta em tanques de inox com temperaturas controladas entre 12 e 15ºC, por mais de 8 semanas.

Harmonização: perfeito aperitivo para o final de tarde num jardim. Excelente com uma seleção de queijos de massa mole com crosta lavada (munster, pont-l’évêque, livarot, époisses etc.), massa prensada (reblochon) e queijos azuis menos pungentes. Sobremesas à base de frutas assadas: torta de maçã aromatizada com zestes de limão.

Temperatura de Serviço: 1o°C

Preço: R$255,02 (safra 2010, Decanter, em 15/11/2015)

 

Mais detalhes

  • http://www.grans-fassian.de/en/weine/2011-trittenheimer-apotheke-riesling-auslese/
  • http://www.decanter.com.br/grans-fassian-riesling-auslese-trittenheimer-apotheke-2010-750ml/p00103210

 

Reichsrat von Buhl Forster Jesuitengarten Riesling Spätlese 2009

Reichsrat von buhl forster jesuitengarten riesling spätlese 2009

90. Vinho de sobremesa, super delicado, sofisticado e com doçura média. No visual, palha escuro. No nariz mostra mel bem delicado. Na boca a doçura é suave como a doçura de uma gelatina. Muito equilibrado e elegante. A acidez é presente, porém fina e discreta. É de fato um vinho bem diferente, algo entre um vinho seco e um late harvest. Mesmo depois da temperatura ter se elevado, manteve uma ótima suavidade e harmonia.

País / Região: Alemanha / Pfalz (sub-região Forster)

Castas: Riesling

Graduação Alcoólica: 10,5°

Elaboração: vinhedos cultivados em linhas orgânicas, em processo de certificação. Não são usados herbicidas ou pesticidas, todo controle de pragas e correções no solo é feito de forma natural. Colheita seletiva e manual de cachos no ótimo estado de amadurecimento, em pequenas cestas de 15 quilos na terceira semana de outubro. Prensagem pneumática delicada. Limpeza natural por decantação. Rendimento final de 30 hl/ha. Fermentação em tanques de inox termo-controlados. Não há filtração. Uma única trasfega é realizada até o engarrafamento no final de abril de 2010.

Harmonização: salada com foie gras e lagostins salteados; coxinhas da asa de pato glaceadas em mel de laranjeira e gengibre, assadas ao forno; tartar de cogumelos trufados; escalopinhos suínos, servidos com espaguete de legumes ao molho de soja; peixe à moda de Bali (frito em azeite bem quente, servido ao molho picante).

Temperatura de Serviço: 12°C

Preço: R$192,50 (Decanter, em 15/11/2015)

 

Mais detalhes

  • http://www.von-buhl.de/shop/2012-jesuitengarten-spaetlese.html
  • http://www.decanter.com.br/von-buhl-forster-jesuitengarten-riesling-spatlese-2009-750ml/p00167509

 

Künstler Hochheim Hölle Erstes Gewächs 2009

künstler hochheim hölle erstes gewächs 2009

91. Cor dourada clara, linda. Aromas de mel, abacaxi e querosene. Na boca mostra uma bela suavidade, com sabores em diferentes camadas. Muito equilibrado, robusto, macio, encorpado, elegante e sofisticado. O elevado açúcar residual dá ao vinho a sensação identificada em vinhos de sobremesa: muita maciez e volume.

País / Região: Alemanha / Rheingau – Hochheim

Castas: Riesling

Caracteristicas Climáticas: clima mediterrâneo diretamente influenciado pelas montanhas Taunus, que conferem proteção aos frios ventos vindos do norte. Cortado pelo paralelo 50°, a exposião dos vinhedos e a proximidade com os rios Main e Reno, são fundamentais para o amadurecimento das uvas.

Caracteristicas do Solo: solos predominantemente de argila pesada.

Elaboração: colheita das uvas no ponto ótimo de maturidade, em videiras com 30 anos de idade média. Vinhedos com moderados rendimentos de 45 hl/ha. Fermentação lenta em tanques de inox com temperatura controlada a 18°C. Após esse processo o vinho permanece sobre as lias de 4-6 semanas antes de ser engarrafado.

Harmonização: Salmão defumado ao creme de raiz forte; Linguado grelhado, deglaçado com vinho riesling e finalizado com trufas brancas; Lagostins à tailandesa; Perfeito acompanhando cum caviar ostra.

Künstler Hochheim Hölle Erstes Gewächs 2009 Mapa

 

Mais detalhes em:

  • http://www.weingut-kuenstler.de/en/vineyard-sites/hochheim/hoelle.html
  • http://www.decanter.com.br/franz-kunstler-riesling-erstes-gewachs-holle-trocken-2009-750ml/p00103709

 

Paul Blanck Alsace Grand Cru Schlossberg Riesling 2006

Paul Blanck Alsace Grand Cru Schlossberg Riesling 2006

90. Aula sobre vinho se faz na prática. Presenciei algo interessante com este aqui: o que faz um vinho ser doce não é apenas a quantidade de açúcar residual, mas também a relação com a acidez. Neste Riesling, nota-se facilmente a maciez proveniente de uma elevada quantidade de açúcar residual, mas a acidez é igualmente elevada, gerando um vinho de fato seco.

País / Região: França / Alsace

Castas: Riesling

Elaboração: o suco das uvas é extraído com infinito cuidado nas prensas pneumáticas. A prensa lenta e gentil evita a quebra do engaço e semente. O mostro começa a fermentação a partir de suas próprias leveduras naturais e perdura por 4 a 10 semanas. Ela ocorre em tanques de aço inox equipados com controle de temperatura de forma a maximizar a expressão dos aromas da casta. O vinho é então amadurecido em suas borras em grandes barris por 12 meses. O contato com as borras contribui para o enriquecimento do vinho. O oxigênio que passa pelos poros da madeira cria uma oxidação gentil e a consequente abertura dos aromas. O vinho é então engarrafado e envelhece por 2 ou 3 anos mais antes de ser comercializado. Este envelhecimento em garrafa também possui um papel importante no desenvolvimento do vinho quando uma reação oposta à oxigenação acontece: graças a algumas reações ocorridas no ambiente livre de oxigênio o buquê se desenvolve e assume nuances sutís.

Harmonização: scallops, salmão defumado, ostras.

 

Mais detalhes em:

  • http://www.blanck.com/en/Our-Wines/grand-cru-french-wine-alsace/vin-d-alsace-alsace-riesling-schlossberg-1186.html

 

Chateau Ste. Michelle Eroica Riesling 2011

Chateau Ste. Michelle Eroica Riesling 2011

92. Nem uma corrida de turfe seria mais acirrada do que a briga entre a maciez e a acidez nesse Riesling. Que sensação impressionante sentir a suavidade e a maciez do açúcar e logo em seguida as pontadas ácidas, e depois a maciez novamente, e depois a acidez… No nariz mostrou pêssego e minerais em um aroma pouco intenso. Na boca tem um bom corpo, uma estrutura muito bem elaborada, acidez fina e elegante. Equilibradíssimo, nenhum amargor na garganta. Sabor persistente e intenso. Um vinho realmente marcante!

País / Região: EUA / Washington state

Eroica é fruto da joint venture da famosa vinícola alemã Dr. Loosen e do Chateau Ste. Michelle, que possui sua história ligada ao estado de Washington desde 1912. Um vinho fruto da mescla do velho com o novo mundo.

Castas: Riesling

Graduação Alcoólica: 11°

Elaboração: para proteger a intensidade do sabor, as uvas foram colhidas a noite quando a temperatura no vinhedo é mais amena. As uvas foram levadas diretamente para a prensa, evitando assim a possível perda de frescor devido a uma maceração antecipada. Uma fermentação fria foi responsável por criar a integração da fruta, açúcar e acidez. Leveduras orientadas a potencializar o sabor frutado foram utilizadas, assim como uma fermentação lenta. Ernst Loosen e Bob Bertheau buscam as uvas para produzir o Eroica de dezenas de pequenos vinhedos, cada um com suas pequenas diferenças e características, resultando na complexidade encontrada no corte final.

Harmonização: pratos asiáticos, cozinha indiana, carangueijo e scallops.

 

Mais detalhes em:

  • https://www.ste-michelle.com/our-wines/2011-eroica-riesling
  • https://www.ste-michelle.com/files/FileResource/10608/ERO_FS_11_Eroica.pdf

 

Kilikanoon Mort’s Block Riesling 2011

Kilikanoon Morts Block Riesling 2011

87. Lá na Austrália, ele deve fazer a alegria da mulherada. Bem clarinho, cor palha clara com reflexos esverdeados. No nariz mostra limão (aos montes), maracujá, toque mineral e uma refrescância que já antecede o que encontraremos na boca. Lá, percebe-se uma acidez vibrante. A refrescância agora aparece com tudo. Muito jovial, com sabor razoavelmente persistente, pouca complexidade e estrutura.

País / Região: Australia / Clare Valley

Castas: Riesling

Graduação Alcoólica: 12,5°

Elaboração: uvas cuidadosamente selecionadas e mescladas oriundas de três vinhedos localizados a apenas alguns minutos da vinícola Kilikanoon. Esta proximidade permite que as uvas, colhidas manualmente, sejam processada rapidamente, buscando-se o sabor intenso e frescor da casta Riesling.

Harmonização: frutos do mar frescos, scallops com limão fresco e ostras naturais.

 

Mais detalhes em:

  • http://www.kilikanoon.com.au/index.php?option=com_platfform&view=crm&task=crm.downloadDocumentVersion&document_version_id=9258&Itemid=156

 

Luigi Bosca Las Compuertas Riesling 2007

Luigi Bosca Las Compuertas Riesling 2007

85. Circunstância é tudo. Como já dizia Einstein, tudo é relativo. Depois de uma degustação de seis fantásticos Riesling, este aqui teve suas imperfeições ressaltadas. Gosto metálico, bastante desequilibrado entre a acidez e açúcar. Poucos aromas e final de boca um pouco amargo. Se tiver a oportunidade, provo ele novamente sozinho, sem a interferência de outros gigantes.

País / Região: Argentina / Mendoza (Las Compuertas)

Castas: Riesling

Graduação Alcoólica: 13,1°

Elaboração: a produção é de menos de 6.000 kg por hectare, o equivalente a 1.000 gramas por planta, e 0,9 plantas são necessárias por garrafa. As uvas são colhidas manualmente em caixas de 18 a 20 kg, é realizada uma seleção de cachos, depois eles passam para o desengace e posteriormente para uma seleção de grãos. As bagas são prensadas suavemente em uma prensa pneumática e passam para desborre a frio durante 36 horas. Depois, o mosto é acumulado e fermentado com leveduras selecionadas em cubas de aço inoxidável a uma temperatura de 14° C. Após a fermentação, o vinho é mantido em contato com suas borras por aproximadamente 60 dias (não se realiza fermentação malolática). Mais tarde é estabilizado, filtrado e engarrafado. Antes de ser lançado ao mercado, é conservado pelo menos 6 meses em câmara de frio. O vinho não é envelhecido em barris de carvalho.

Temperatura de serviço: entre 8°C e 11°C

Harmonização: por sua estrutura e untuosidade, vai muito bem com peixes gordos e carnes brancas de sabores simples e com molhos não muito complexos.

 

Mais detalhes em:

  • http://luigibosca.com.ar/pt/colecciones/vinos-de-terroir/luigi-bosca-riesling-las-compuertas/
  • http://luigibosca.com.ar/wp-content/uploads/terroir_riesling_port_72dpi.pdf

 

Cartuxa Branco 2011

Cartuxa Branco

93. Ahhh Eugênio de Almeida. Que vinícola! Uma surpreendente capacidade de fazer bons vinhos. Muita estrutura, complexidade que dá banho em muitos tintos. Uma pitada de acidez torna a experiência refrescante, compensando os sabores mais maduros e sérios que vão se desdobrando aos poucos. Cada gole rende uma eternidade de sabores , intensos e persistentes. As camadas de sabor, presentes apenas nos vinhos tops, são facilmente identificadas.

País / Região: Portugal / Alentejo

Castas: Antão Vaz e Arinto

Graduação Alcoólica: 13%

Elaboração: quando as uvas atingem o estado de maturação ideal, são colhidas e transportadas para a adega, onde se inicia o processo tecnológico com desengace total e ligeiro esmagamento. Em seguida as uvas são fermentadas em cubas de inox, à temperatura controlada de 16oC. Segue-se estágio sobre borras finas durante doze meses com bâtonnage regular.

Serviço: 10 a 12oC

 

Mais detalhes em:

  • http://www.cartuxa.pt/pt/product/3/18#cartuxa

 

Quinta da Chocapalha Arinto 2010

Quinta da Chocapalha Arinto 2010

86. Frutado no nariz. Acidez ligeiramente elevada, o que vem se mostrando uma constante na casta Arinto.

Região / País: Lisboa / Portugal

Castas: Arinto

Graduação Alcoólica: 13%

Elaboração: fermentou em cubas de inox, tendo o vinho ficado em contato com as borras finas durante 6 meses. Produção de apenas 9.600 Garrafas.

 

 

Mais detalhes em:

  • http://www.wonderfulland.com/chocapalha/#
  • http://www.alentejana.com.br/produto.php?c=432
  • http://www.vivino.com/wineries/quinta-de-chocapalha/wines/vinho-regional-estremadura-arinto-2010

 

Quinta da Alorna Reserva Arinto Chardonnay 2013

Quinta da Alorna Reserva Arinto Chardonnay 2013

89. Todos os brancos possuem seu lugar no meu coração, mas não é à toa que a chardonnay é dita como a rainha dos brancos. Que elegância, personalidade e estrutura. Esse vinho aqui me mostrou como a uva é fantástica. Em um corte com arinto, ela desponta e mostra suas característica. Funcionou como uma banda, onde a arinto faz a cozinha (bateria e baixo) e a chardonnay se transforma em um Jimi Hendrix. No nariz, pêssego e carvalho, na boca, uma pitada de acidez tira alguns pontos.

Região / País: Tejo / Portugal

Castas: Arinto, Chardonnay.

Graduação Alcoólica: 13%

Elaboração: as uvas de vindima manual são prensadas e os respectivos mostos clarificados separadamente a baixa temperatura. A Arinto fermenta em cubas inox a 15ºC e a Chardonnay fermenta em barricas novas de carvalho francês, estagiando sobre as borras finas durante 3 meses. Após o lote final, o vinho é estabilizado pelo frio e filtrado antes do engarrafamento. Produção de 29.000 garrafas.

Serviço: 12ºC.

Harmonização: pratos de peixe e bacalhau com natas ou bechamel, queijos amanteigados.

 

Mais detalhes em:

  • http://alorna.pt/Vinhos/Quinta-da-Alorna/Quinta-da-Alorna-Reserva-Branco-2014
  • http://alorna.pt/documents/quinta_alorna_54d0f8e19b958.pdf
  • http://www.vivino.com/wineries/quinta-da-alorna-20387/wines/reserva-arinto-chardonnay-2013

 

Fetzer Quartz White Blend 2011

Fetzer Quartz 2011

87. Finalmente um americano na minha lista. Vinícola da Concha y Toro na Califórnia. Poucos aromas, mas muito equilibrado. Tomei ele no meio de um festival de rock (isso é que é amor ao vinho!) em um dia quente e desceu muito bem.

Região/Denominação: California/USA

Uvas: 35% Chardonnay, 23% Riesling, 18% Gewürztraminer, 14% Pinot Grigio, 7% Muscat, 3% outras castas.

Graduação Alcoólica: 12%

Harmonização: frango, peixe e qualquer prato com um toque apimentado.

 

Mais detalhes em:

  • http://www.fetzer.com/assets/client/File/tech_sheets/Quartz-Tech-Sheet-030813.pdf
  • http://www.vivino.com/wines/4957869-fetzer-quartz-2011

 

Pierre André Corton-Charlemagne Grand Cru Borgonha 2010

Pierre Andre Corton-Charlemagne Grand Cru Borgonha 2010

94. Uma obra prima branca! Exemplar fantástico da Borgonha. Consegue superar com folga os já belos e elegantes brancos mais acessíveis. A estrutura é belíssima, reunindo equilíbrio, robustez, potência e persistência.

 

Mais detalhes em:

http://www.pierre-andre.com/en/index.php#/FicheMillesime?idMillesime=463

Clique para acessar o corton-charlemagne-2011.pdf

http://www.vivino.com/wineries/chateau-de-corton-andre/wines/2871466-corton-charlemagne-grand-cru-2010

Comte De Moucheron Meursault 1er Cru 2007 (Borgonha)

Comte De Moucheron Meursault 1er Cru 2007 (Borgonha)

92. Amarelo palha médio. Aroma potente e elegante. Estrutura igualmente elegante, muito equilibrado, combinando a robustez do chardonnay americano com a sofisticação do borgonhês. No fundo, nota-se um pouco de defumado muito agradável.

 

Mais detalhes em:

http://www.marcheauxvins.com/fr/meursault/667-meursault-1er-cru-2007-comte-de-moucheron.html

http://www.vivino.com/wineries/comte-de-moucheron-148154/wines/meursault-1er-cru-2007

Comte De Moucheron Bourgogne Chardonnay 2011

Comte De Moucheron Bourgogne Chardonnay 2011 (Borgonha)

91. Aromas mais similares ao chardonnay americano, onde nota-se com mais facilidade o floral e frutado. Na boca, as semelhanças com os rótulos americanos se ressaltam: adocicado e estruturado. Um Borgonha feito para o paladar do novo mundo.

 

Mais detalhes em:

http://www.marcheauxvins.com/en/bourgogne/754-bourgogne-blanc-2011-comte-de-moucheron.html

http://www.vivino.com/wineries/comte-de-moucheron-148154/wines/bourgogne-chardonnay-2011